A empresa DKS lamenta profundamente o incêndio ocorrido e destaca perdas no Museu Nacional do RJ

Atualizado: 4 de Set de 2018



A empresa DKS pioneira em produtos contra incêndio, publica nota lamentando o incêndio ocorrido no Museu Nacional do Rio de Janeiro e destaca as perdas históricas decorrentes desta tragédia:


Uma perda inestimável e irreversível de nosso patrimônio histórico que devastou o Museu Nacional do Rio de Janeiro na noite do último domingo (02) onde um incêndio de grandes proporções destruiu o Museu Nacional, lugar que guardava parte da história do Brasil e que completou 200 anos em Junho de 2018.

"Lamentamos profundamente o incêndio ocorrido no Museu Nacional. Perdas irreparáveis e incalculáveis para esta e futuras gerações" (Diretoria DKS)

Um patrimônio histórico fundamental para a memória do país!

O Museu Nacional situado próximo de São Januário, no bairro de São Cristóvão, no Rio de Janeiro. Sem dúvidas, a destruição é uma grande perda para nosso país.

O palácio serviu de residência à família real portuguesa de 1808 a 1821, abrigou a família imperial brasileira de 1822 a 1889 e sediou a primeira Assembléia Constituinte Republicana de 1889 a 1891, antes de ser destinado ao uso do museu, em 1892. O edifício é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) desde 1938.

Fundado por Dom João VI em 6 de junho de 1818 sob a denominação de Museu Real, o museu foi inicialmente instalado no Campo de Santana, reunindo o acervo legado da antiga Casa de História Natural, popularmente chamada “Casa dos Pássaros”, criada em 1784 pelo Vice-Rei Dom Luís de Vasconcelos e Sousa, além de outras coleções de mineralogia e zoologia. A criação do museu visava atender aos interesses de promoção do progresso sócio-econômico do país através da difusão da educação, da cultura e da ciência. Ainda no século XIX, notabilizou-se como o mais importante museu do seu gênero na América do Sul. Foi incorporado à Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1946.

Saiba mais em: Notícias

48 visualizações0 comentário